HISTÓRIA DA ISO

1. Expressão ISO 9000

A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, não importando a sua dimensão.

2. Entidade reguladora para padronização da norma

Em 1926 foi criada a primeira entidade para padronização internacional “International Federation of the National Standardizing Associations” (ISA) que cessaram suas atividades em 1942 durante a Segunda Guerra Mundial.

A sigla “ISO” se refere à International  Organization for Standardization, criada em 1946 após final do conflito internacional, representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização, para padronização, com o objetivo de “facilitar a coordenação internacional e unificação dos padrões industriais”.

Essa organização internacional trata-se uma entidade não governamental, essa nova organização iniciou suas atividades oficialmente em 23 de fevereiro de 1947 com sede em Genebra, na Suíça, hoje presente em cerca de 161 países, no Brasil é representada pela ABNT “Associação Brasileira de Normas Técnicas”.

Conforme últimos dados levantados pela ISO-International Organization for Standardization a ISO 9001:2015 é implementado por mais de um milhão de empresas e organizações em mais de 170 países. Fonte de pesquisa: https://www.iso.org/iso-9001-quality-management.html


3. ISO seu significado e sua função

A sigla “ISO” foi originada da palavra isonomia, sinônimo de igualdade, cujo objetivo é a padronização do gerenciamento do sistema da qualidade visando a sua unificação de forma universal.
.A sua função é a de promover a normatização de produtos e serviços, para que a qualidade dos mesmos seja permanentemente melhorada.

4. Como nasceu a família de normas ISO?

Nasceu de normas militares, antes da ISO várias normas foram criadas, dentre elas podemos citar:

  • Normas Militares Americanas – MIL STD. – Padronização.
  • MIL-Q-9858 – Foi a primeira norma de Especificações de Sistema da Qualidade.
  • MIL-I-45205 – Requisitos de um Sistema da Qualidade.
  • AQAP (Allied Quality Assurance) OTAN – Garantia da Qualidade.
  • DEF.STAN (Defense Standard) Reino Unido – Normas das Forças Armadas Sobre Sistemas da Qualidade.
  • BS-5750 (British Standard)

5. Quando Nasceu a primeira NORMA ISO?

A primeira norma ISO 9000:1987 baseou-se nesta ultima, BS-5750 (British Standard) norma de origem Britânica.

Esta norma ficou conhecida como norma de gestão, uma vez que não apenas especificava como se produzir, mas também como gerenciar o processo de produção.

Em 1979 – O Comitê Técnico ISO TC 176 elabora normas sobre Qualidade.

Com a globalização na década de 1980, aumentou a necessidade de normas internacionais, principalmente a partir da criação da União Europeia.

  • Em 1987 – São aprovadas as Normas ISO 9000. NBR ISO 9000 – Tradução literal do texto original.

6. A família NBR ISO 9000:1987

NBR ISO 9000:1987-Parte 1

Normas de Gestão da Qualidade e Garantia da Qualidade: Diretrizes para seleção de uso.

NBR ISO 9001:1987

Normas de Sistema da Qualidade – Modelo para Garantia da Qualidade em projeto, desenvolvimento, produção, instalação e serviços associados, aplicava-se a organizações cujas atividades eram voltadas à criação de novos produtos.

NBR ISO 9002:1987

Normas de Sistema da Qualidade – Modelo para Garantia da Qualidade em produção, instalação e serviços associados, compreendia essencialmente o mesmo material da anterior, mas sem abranger a criação de novos produtos.

NBR ISO 9003:1987   

Normas de Sistema da Qualidade – Modelo para Garantia da Qualidade inspeção e ensaios finais, abrangia apenas a inspeção final do produto e não se preocupava como o produto era feito.

NBR ISO 9004:1987-Parte 1

Normas de Gestão da Qualidade. Elementos do Sistema da Qualidade: Diretrizes. Para melhoria do desempenho.

Tabela comparativa entre as normas ISO 9001

historia da iso, como surgiu a iso 9001, iso 9001

 

7. A família NBR ISO 9000:1994

Essa norma tratava dos termos e definições relativos à norma ISO 9001:1994, explicativa dos termos e definições da garantia da qualidade, não é uma norma certificadora.

Norma NBR ISO 9001:1994

Essa norma tinha a garantia da qualidade como base da certificação.

A família de normas NBR ISO 9000:1994 (9001, 9002 e 9003) foi cancelada e substituída pela série de normas ABNT NBR ISO 9000:2000, que é composta de três normas:

8. Nova série ABNT NBR ISO 9000:2000 (1ª grande revisão)

A família de normas NBR ISO 9000:1994 (9001, 9002 e 9003) foi cancelada e substituída pela série de normas ABNT NBR ISO 9000:2000, que é composta de três normas:
  • ABNT NBR ISO 9000:2000: Descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e estabelece a terminologia para estes sistemas.
  • ISO 9000:2005: Foi a única norma lançada nesse ano, descrevendo os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade que, no Brasil, constituem o objeto da família ABNT NBR ISO 9000, e definindo os termos a ela relacionados. É aplicável a organizações que buscam vantagens através da implementação de um sistema de gestão da qualidade.
  • ABNT NBR ISO 9001:2000: Especifica requisitos para um Sistema de Gestão da Qualidade, onde uma organização precisa demonstrar sua capacidade para fornecer produtos que atendam aos requisitos do cliente e aos requisitos regulamentares aplicáveis, e objetivas aumentar a satisfação do cliente.
  • ABNT NBR ISO 9004:2000: Fornece diretrizes que consideram tanto a eficácia como a eficiência do sistema de gestão da qualidade. O objetivo desta norma é melhorar o desempenho da organização e a satisfação dos clientes e das outras partes interessadas.
  • ISO 9004:2009: Sistema de Gestão da qualidade – Diretriz para melhoria de desempenho, essa nova versão substitui a versão 2000 e fornecem às organizações um modelo de “Sucesso sustentado” é a terceira versão, sendo que a primeira publicada em 1987.

As normas ABNT NBR ISO 9000 e ABNT NBR ISO 9004 não é destinado a certificação, regulamentar ou contratual.

História da norma NBR ISO 9001:2000

Conforme podemos observar cada norma descrita na tabela é direcionado a um tipo de seguimento na indústria de produtos e serviços, nem sempre atendendo de maneira global as necessidades de cada empresa, baseado nisso foi feito uma pesquisa e se chegou a seguinte conclusão, a preferência de muitos usuários pela norma ISO 9000 (Gestão da qualidade) na área de produtos e serviços, nessa pesquisa observou-se que a série ISO 9000:1994 não era muito aceita devido a incompatibilidade com a norma ISO 14001 (Gestão ambiental), daí a necessidade da criação de uma norma mais abrangente que melhorasse a compatibilidade entre as duas normas.
Portanto, as mudanças nas séries ISO 9000 foram baseadas no resultado dos estudos dessa pesquisa realizada, essa nova norma tem como principal alvo o foco no cliente, assim como nos processos principais e suas operações.

As mudanças que ocorreram com a criação das novas normas:

1. A norma ISO 9002 desaparece porque todas as necessidades serão atendidas pela norma ISO 9001

2. A norma ISO 9003 é interrompida e não havendo mais nenhum modelo equivalente

3. A nova norma é baseada em modelos de processo

Para solucionar as dificuldades da norma anterior, esta norma combinava as 9001, 9002 e 9003 em uma única, passa a ser denominada 9001:2000, esta norma vem para solucionar as 8 dificuldades com as normas anteriores que exigia muito papel e poucos resultados práticos.

9. Nova versão ABNT NBR ISO 9001:2008

História da norma NBR ISO 9001:2008

A revisão da ISO 9001 para a versão 2008 trouxe poucas mudanças, notadamente alguém já ouviu algum comentário.
As mudanças, são sutis em vários pontos, serviram para melhorar o entendimento sobre a norma ISO 9001 e para aprimorar sua utilização da mesma.

Mas algum ponto a norma sofreu modificações que precisaram de uma maior atenção por parte dos gestores, auditores e profissionais que utilizaram a norma. Que a partir de agora iremos abordar os pontos mais significativos.

O Que Muda na Norma NBR ISO 9001:2008

A estrutura da norma NBR ISO 9001:2008 permanece a mesma da versão 2000, os pontos que sofreram mudanças foram somente para melhorar o entendimento e que iremos abordar a partir de agora.

Capítulo 0

O capítulo 0 é a introdução da norma.

Explica sua finalidade, abordagem, a relação com a 9004 e a compatibilidade com outros sistemas de gestão.

Item 0.1 – Generalidades

Onde antes era:

O projeto e a implementação de um sistema de gestão da qualidade de uma organização são influenciados por várias necessidades, objetivos específicos, produtos fornecidos, os processos empregados e o tamanho e estrutura da organização.

Ficou assim:

O que influencia o projeto e implementação de um SGQ foi separado em tópicos, ficando mais fácil isolar os fatores, que agora aparecem desta forma:

  1. Seu ambiente de negócio, alterações neste ambiente, ou riscos associados com este ambiente,
  2. Necessidades que variam,
  3. Seus objetivos particulares,
  4. Produtos fornecidos,
  5. Os processos utilizados,
  6. O porte e a estrutura da organização.

Parágrafo 4

E no parágrafo 4, os requisitos regulamentares ficaram mais claro e mais fácil de entender, o texto agora diz: Esta Norma pode ser usada por partes internas ou externas a organização, isto inclui organismos de certificação, para avaliar a capacidade da organização de atender aos requisitos do cliente, estatutários e
regulamentares aplicáveis ao produto e aos requisitos da própria organização.
Ficaram mais claro os requisitos regulamentares (legais) citados pela norma são aqueles aplicáveis ao produto. Pois antes deixava dúvidas na sua interpretação, é lógico que as organizações têm que atender a requisitos legais diversos, e a ISO 9001 se atém apenas aos que se aplicam diretamente ao produto, como por exemplo, as normas setoriais.

No item 0.2 –Abordagem de Processo, ficou bem mais clara, um processo não se constitui apenas de uma atividade específica, e sim a um conjunto de atividades – parágrafo 2. A abordagem de processo se caracteriza quando a gestão deles é direcionada aproduzir o resultado final desejado- parágrafo 3.

Isto significa que não basta acompanhar os processos, criando fluxogramas, para aplicar uma abordagem de processo é necessário tomar ações para que eles atinjam seus objetivos, tem que haver melhoria e atingem os resultados esperados.

O item 0.3 – excluiu os comentários de que a 9001 e a 9004, onde antes se dizia que são um par coerente. Diz agora que são apenas complementares e podem ser utilizadas em conjunto ou não. – É lógico que com a mudança profunda que esta sendo anunciada para a norma 9004 não poderia ser tratada como um par coerente.

O item 0.4 – tira a afirmação de que a norma 9001 e a norma 14001 estão alinhadas. Agora diz que as prescrições da 14001 foram consideradas para aumentar a compatibilidade entre as duas normas.

10. Nova versão ABNT NBR ISO 9001:2015

HISTÓRIA DA NORMA NBR ISO 9001:2015

A revisão da norma NBR ISO 9001 para versão 2015 trouxe diversas mudanças, entre elas teve mudança na estrutura que são sete (7) requisitos de aplicação e Sete (7) princípios de gestão, anexo SL e alterações nos requisitos e sua aplicação, itens e subitens da norma.

Alertas para transição

Periodo de transição: Será de três anos a partir da data de publicação da ISO 9001:2015. O período de transição terá início em setembro de 2015, terminará em Setembro 2018.

Validade das certificações ISO 9001:2008: A ISO 9001: 2008 certificações não será válida após o final do setembro 2018.

Início das certificações no ambito da ISO 9001:2015: A partir de março 2017 todas as certificações iniciais no âmbito de acreditação deve ser a norma ISO 9001: 2015.

NOTA:Validade das certificações acreditadas para ISO 9001:2008 serão de Dezoito (18) meses após a publicação da ISO 9001:2015 e todos as certificações emitidas (iniciais) terão que ser ISO 9001: 2015.

Informações complementares

Objetivo: O seu objetivo é aumentar a consciência de uma organização de suas responsabilidades, compromissos asumidos, funções e empenho visando a satisfação das necessidades e expectativas de seus clientes e partes interessadas, e em alcançar a satisfação com seus produtos e serviços.

Conceitos: A norma ISO 9001:2015 fornece os conceitos fundamentais, princípios e vocabulário para sistemas de gestão da qualidade (SGQ) e fornece a base para outras normas de SGQ.

Usuário: A norma ISO 9001:2015 destina-se a ajudar o usuário a entender os conceitos fundamentais, princípios e vocabulário de gestão da qualidade, a fim de ser capaz de forma eficaz e eficiente implementar um SGQ e perceber o valor de outras normas do SGQ.

Âmbito

A norma ISO 9001:2015 descreve os conceitos fundamentais e os princípios de gestão da qualidade que são universalmente aplicáveis ao seguinte:

– As organizações que buscam sucesso sustentado através da implementação de um sistema de gestão da qualidade;

– Os clientes que buscam a confiança na capacidade de uma organização para fornecer consistentemente produtos e serviços em conformidade com as suas necessidades;

– As organizações que buscam a confiança em sua cadeia de abastecimento que os requisitos de produtos e serviços será cumprido;

– As organizações e partes interessadas que procuram melhorar a comunicação através de um entendimento comum sobre o vocabulário usado na gestão da qualidade;

– As organizações que desempenham avaliações da conformidade contra os requisitos da norma ISO 9001;

– Os prestadores de formação, avaliação ou consultoria em gestão de qualidade;

Estrutura

A estrutura comum e ISO 9001:2015

4 Contexto da organização
4.1 contexto Entendimento
4.2 Partes interessadas
4.3 Escopo
4.4 QMS

5 Liderança
5.1 Liderança e compromisso
5.2 política
5.3 Papéis organizacionais , responsabilidades e autoridades

6 Planejamento
6.1 Riscos e oportunidades
6.2 Planejamento

7 Suporte
7.1 recursos
7.2 competência
7.3 Consciência
7.4 Comunicação
7,5 informação documentada

8 Operação
8.1 Planejamento e controle operacional

9 Avaliação Desempenho
9.1 Monitoramento, medição, análise e avaliação
9.2 Auditoria interna
9.3 Revisão de gerenciamento

10 Melhoria
10.1 geral
10.2 Não-conformidade e medidas correctivas
10.3 Melhoria contínua

Nota 1: Os objetivos da organização podem estar relacionados a seus produtos e serviços, os investimentos e comportamento para com suas partes interessadas.

Nota 2: O conceito de contexto da organização é igualmente aplicável a organizações não-lucrativas ou de serviço público, pois é para aqueles que procuram lucros.

Nota 3: Em Inglês, este conceito são muitas vezes referido por outros termos como “ambiente de negócios”, “clima organizacional” ou “ecossistema de uma organização”.

Nota 4: Noções básicas sobre a infra-estrutura pode ajudar a definir o contexto da organização.

Os focos principais da ISO 9001: 2015

Os focos principais da ISO 9001: 2015 revisão foram para aumentar a clareza e compatibilidade com outras normas de sistemas de gestão.

Os benefícios identificados para a ISO 9001: 2015:

1.Fornece clareza
2.Envolvimento liderança reforçada no sistema de gestão
3.Pensamento baseada em risco
4.Linguagem simplificada, a estrutura e os termos comum
5.Alinhar política e objetivos QMS com a estratégia da organização

1.Anexo SL

O anexo SL (anteriormente Guia ISO 83), que define o enquadramento para um genérico Sistema de gestão.
O anexo SL veio com o intuito de facilitar a integração com outras normas de gestão de forma consistentes e compatíveis.
O Anexo SL descreve a estrutura para um sistema de gestão genérico, no futuro, todas as novas normas de sistemas de gestão terão a mesma forma e o mesmo sentido.
O Anexo SL aborda os requisitos de apresentação de propostas de normas de sistema de gestão. Isso consiste em 9 clausulas e 3 anexos.

Apêndice 2 do anexo SL

1. Estrutura de alto nível,
2. Texto de base idêntica,
3. Termos e definições do núcleo comum.

No futuro, todas as normas de sistemas de gestão terão de ter esses elementos.

Nota: Uma norma que segue a mesma estrutura do anexo SL é a PAS 99:2012.

Nota 1: A ISO 9001: 2015 não exige o manual e nem procedimentos específicos, permite uma flexibilidade da organização na forma de como escolher para documentar seu sistema de gestão da qualidade (SGQ), porém se a estrutura da organização está definida em cima do manual ou deste ou aquele procedimento nada o impede que seja mantido.

Nota 2: Na norma NBR ISO 9001:2008 era exigido o manual da qualidade e os seis (6) procedimentos; 4.2.3 Controle de Documentos, 4.2.4 Controle de Registros, 8.2.2 Auditoria Interna, 8.3 Controle de Produto Não Conforme, 8.5.2 Ação Corretiva, 8.5.3 Ação Preventiva.

Nota 3: O fato de a norma NBR ISO 9001:2015 não exigir o manual e nem os procedimentos específicos não queira dizer que você é obrigado a abolir os mesmos, se a estrutura de seu sistema de gestão foi montada em cima desses documentos não tem porque não manter, basta que seja feita as revisões para se adequar a norma.

Nota 4: A norma NBR ISO 9001:2015 dá liberdade para que você monte a estrutura do seu sistema de gestão da forma que melhor lhe convier, desde que atenda os requisitos da mesma.

0. Introdução
0.1-Generalidade

A adoção de um sistema de gestão da qualidade é uma decisão estratégica para uma organização que pode ajudar a melhorar seu desempenho global e a prover uma base sólida para iniciativas de desenvolvimento sustentável.

Os benefícios potenciais para uma organização pela implementação de um sistema de gestão da qualidade baseado nesta norma são:

a) A capacidade de fornecer consistentemente produtos e serviços que atendam aos requisitos do cliente e aos requisitos estatutários e regulamentares aplicáveis;

b) Facilitar oportunidades para aumentar a satisfação do cliente;

c) Abordar riscos e oportunidades associados com seu contexto e objetivos;

d) A capacidade de demonstrar conformidade com requisitos especificados de sistemas de gestão da qualidade.

Esta norma pode ser usada por partes internas e externas.

Não é intenção desta norma impor a necessidade de:

– Uniformidade na estrutura de diferentes sistemas de gestão da qualidade;

– Alinhamento de documentação à estrutura de seções desta norma;

– O uso de terminologia específica desta norma na organização.

Os requisitos de sistema de gestão da qualidade especificados nesta norma são complementares aos requisitos para produtos e serviços.

Esta norma emprega a abordagem de processo, que incorpora o ciclo Plan-Do-Check-Act (PDCA) e o pensamento baseado em risco.

A abordagem de processo habilita uma organização a planejar seus processos e suas interações.

O ciclo PDCA permite a organização possa assegurar que seus processos tenham recursos suficientes e sejam gerenciados de forma adequada, e que as oportunidades para melhoria sejam identificadas e as ações sejam tomadas.

O pensamento baseado em risco permite que a organização possa determinar os fatores que poderiam causar desvios nos seus processos e no seu sistema de gestão da qualidade em relação aos resultados planejados, e possa colocar em prática medidas preventivas para minimizar os efeitos negativos e aproveitar ao máximo as oportunidades de melhoria que possam surgir (ver Seção A.4).

Atender consistentemente a requisitos e abordar necessidades e expectativas futuras constitui um desafio para organizações em um ambiente progressivamente dinâmico e complexo. Para atingir o objetivo, a organização pode considerar necessário adotar várias formas de melhoria, além de correção e melhoria contínua, como mudança radical na estrutura, inovação e reorganização.

Nesta norma, as seguintes formas verbais são usadas:

  • “deve” indica um requisito;
  • “deveria” uma recomendação
  • “pode” (may/can) indica permissão/possibilidade ou capacidade.

Informações identificadas como “NOTA” se destinam a uma orientação, ou seja, um esclarecimento para melhor entendimento.

Exemplos de usuários dos produtos:

Exemplos I: clientes, fornecedores, órgãos reguladores, internos ou externos à organização, que avaliam a capacidade do sistema de gestão da qualidade e verificarem a conformidade com os requisitos da NBR ISO 9001. (Exemplo II)

Exemplos II: auditores, órgãos regulamentadores e organismos de certificação, internos ou externos à organização, prestam assessoria ou treinamento sobre o sistema de gestão da qualidade adequado à organização ou ainda grupos de pessoas que elaboram normas de qualidade.

0.2 – Princípios de Gestão da Qualidade

Esta Norma é baseada nos princípios de gestão da qualidade descritos na ABNT NBR ISO 9000. As descrições incluem a declaração de cada princípio, a justificativa do por que o princípio é importante para a organização, alguns exemplos de benefícios associados ao princípio e exemplos de ações típicas para melhorar o desempenho da organização quando aplicar o princípio.

Os princípios de Gestão da Qualidade são:

– Foco no cliente;
– Liderança;
– Engajamento das pessoas;
– Abordagem de processo;
– Melhoria;
– Tomada de decisão baseada em evidência;
– Gestão de relacionamento.

0.3 – Abordagem de processo

0.3.1 Generalidades

Esta norma promove a adoção da abordagem de processo no desenvolvimento, implementação e melhoria da eficácia de um sistema de gestão da qualidade, para aumentar a satisfação do cliente pelo atendimento aos requisitos do cliente. Requisitos específicos considerados essenciais à adoção da abordagem de processos estão incluídos em 4.4.

Entender e gerenciar processos inter-relacionados como um sistema contribui para a eficácia e a eficiência da organização em atingir seus resultados pretendidos. Essa abordagem habilita a organização a controlar as inter-relações e interdependências entre processos do sistema, de modo que o desempenho global da organização possa ser elevado.
A abordagem de processo envolve a definição e a gestão sistemáticas de processos e suas interações de modo a alcançar os resultados pretendidos de acordo com a política da qualidade e a direção estratégica da organização. A gestão dos processos e do sistema como um todo pode ser conseguida usando o ciclo PDCA (ver 0.3.2) com um enfoque global sobre o pensamento baseado em risco (ver 0.3.3), que visa tirar proveito das oportunidades e prevenir contra os resultados indesejáveis.

A aplicação da abordagem de processo em um sistema de gestão da qualidade permite:

a) O entendimento e consistência no atendimento a requisitos;
b) A consideração de processos em termos de valor agregado;
c) A realização de um desempenho eficaz de processo;
d) Melhoria de processos baseada na avaliação de dados e informação.

A Figura 1 da norma mostra uma representação esquemática de qualquer processo e das interações de seus elementos. Os pontos de monitoramento e medição necessários para controle são específicos de cada processo e variam de acordo com os riscos relacionados.

 

0.32 – Ciclo Plan – Do – Check – Act

O ciclo PDCA pode ser aplicado para todos os processos e para o sistema de gestão da qualidade como um todo. A Figura 2 ilustra como as Seções 4 a 10 podem ser agrupadas em relação ao ciclo PDCA.

O ciclo PDCA pode ser resumidamente descrito como a seguir:

0.32 – Ciclo Plan – Do- Check – Act

Plan – Planejar: Estabelecer os objetivos do sistema, seus componentes de processos e os recursos necessários para fornecer resultados de acordo com os requisitos dos clientes e as políticas da organização;

Do – Fazer: Implementar o que foi planejado.

Check – Verificar: Monitorar e (quando aplicável) medir os processos, os produtos e serviços resultantes em relação às políticas, objetivos e requisitos, e relatar os resultados.

Act – Agir: Tomar ações para melhorar o desempenho do processo, se necessário.

 

0.33 “Pensamento Baseado em Risco”

O pensamento baseado em risco (ver seção A.4) é essencial para se conseguir um sistema de gestão eficaz. O conceito de pensamento baseado em risco sempre esteve implícito nas edições anteriores desta norma, incluindo, por exemplo, realizar ações preventivas para eliminar não conformidades potenciais, analisar quaisquer não conformidades que ocorram e tomar ação para prevenir recorrências que sejam apropriadas aos efeitos da não conformidade.

Para estar conforme com os requisitos desta norma, uma organização precisa planejar e implementar ações para abordar riscos e oportunidades. A abordagem de riscos e oportunidades estabelece uma base para o aumento da eficácia do sistema de gestão da qualidade, alcançar melhores resultados e prevenir os efeitos negativos.

As oportunidades podem surgir como resultado de uma situação favorável para atingir um resultado pretendido, por exemplo, um conjunto de circunstâncias que permite a organização atrair clientes, desenvolver novos produtos e serviços, reduzir desperdício ou melhorar produtividade. Ações para abordar oportunidades podem também incluir a consideração de riscos associados.

Risco é o efeito da incerteza, e qualquer incerteza pode ter um efeito positivo ou negativo. Um desvio positivo proveniente de um risco pode oferecer uma oportunidade, mas nem todos os efeitos positivos de risco resultam em oportunidades.

A nova norma traz o pensamento baseado em risco de forma mais explícita e pode incorporá-lo mais facilmente em requisitos para o estabelecimento, implementação, manutenção e melhoria contínua do sistema de gestão da qualidade.

Organizações podem optar por desenvolver de uma forma mais ampla a abordagem baseada em risco do que é exigido por esta norma.

A ISO 31000 fornece orientações sobre a gestão formal de risco, que pode ser adequada em determinados contextos organizacionais.

Nem todos os processos do sistema de gestão da qualidade, representam o mesmo nível de risco em termos de capacidade da organização para atingir seus objetivos.

O “Pensamento baseado em risco”, portanto, significa considerar o risco qualitativamente, dependendo do contexto da organização, quantitativamente ao definir o rigor e o grau de formalidade necessária para planejar e controlar o sistema de gestão da qualidade e os processos que o compõem.

sistema gestao qualidade iso 9001 2015

0.4 Relacionamento com outras Normas de Sistemas de Gestão

Esta Norma aplica a estrutura desenvolvida pela ISO para melhorar o alinhamento entre suas Normas para sistemas de gestão (ver Seção A.1).

Esta Norma habilita uma organização a usar a abordagem de processo, combinada com o ciclo PDCA e a mentalidade de risco, para alinhar ou integrar seu sistema de gestão da qualidade com os requisitos de outras normas de sistemas de gestão.

Esta Norma se relaciona com as ABNT NBR ISO 9000 e ABNT NBR ISO 9004 como a seguir:

A ABNT NBR ISO 9000, Sistemas de gestão da qualidade – Fundamentos e vocabulário provê a base essencial para o entendimento e a implementação apropriados desta Norma;

A ABNT NBR ISO 9004, Gestão para o sucesso sustentado de uma organização – Uma abordagem da gestão da qualidade provê diretrizes para organizações que escolhem progredir além dos requisitos desta Norma.

O Anexo B provê detalhes de outras Normas sobre Gestão da Qualidade e sistemas de Gestão da Qualidade que foram desenvolvidas pelo ISO/TC176.

A norma ISO 9001 não inclui requisitos específicos para outros sistemas de gestão, tais como aqueles para a gestão ambiental, saúde ocupacional e gestão da segurança, ou gestão financeira.

Uma matriz que mostra a correlação entre as cláusulas da norma NBR ISO 9001:2015 e ISO 9001:2008 pode ser encontrada no ISO/TC 176/SC2 site de acesso livre a ISO/ TC: www.iso.org/tc176/sc02/public.

PDCA qualidade

1. ESCOPO

A norma ISO 9001:2015 especifica requisitos para um sistema de gestão da qualidade, quando uma organização:

a) Precisa demonstrar sua capacidade de fornecer consistentemente produto ou serviço que atenda ao cliente e requisitos estatutários e regulatórios aplicáveis,e

b) Pretende aumentar a satisfação do cliente através da aplicação eficaz do sistema, incluindo processos para melhoria contínua do sistema e a garantia da conformidade com o cliente e requisitos estatutários e regulatórios aplicáveis.

Todos os requisitos da norma são genéricos e se pretende que sejam aplicáveis a todas as organizações, independentemente do tipo, tamanho, produto e serviço fornecido.
Nota 1: Nesta norma, os termos “produtos” ou “serviços” só se aplicam aos produtos e serviços destinados a, ou requeridos pelo cliente.
Nota 2: Requisitos estatutários e regulatórios, podem ser expressos como requisitos legais.

5. Benefícios trazidos pela ISO 9001:2015

– Menos prescritiva, mas com maior enfoque na obtenção de produtos e serviços conformes.
– Mais fácil de usar para o serviço e organizações baseadas no conhecimento
– Maior envolvimento liderança
– Planejamento mais estruturado para a definição de objetivos
– Revisão de Gestão está alinhada aos resultados organizacionais
– A oportunidade para obter informação mais flexível documentado
– Endereços de riscos e oportunidades organizacionais de forma estruturada
– Endereços de gestão da cadeia de suprimentos de forma mais eficaz
– Oportunidade para um sistema de gestão integrada que aborda outros elementos, como meio ambiente, saúde e segurança, continuidade de negócios, etc.

6. Princípios da Gestão da Qualidade

Apresentamos os sete princípios de gestão da qualidade (PGQs). ISO 9000, ISO 9001 e está relacionados as normas de gestão de qualidade ISO e baseiam-se nestas sete PGQs.
Uma das definições de “princípio” é que ela é uma crença de base,teoria ou regra que tem uma grande influência sobre a maneira pela qual algo seja feito. “Princípios de gestão de qualidade” são um conjunto de crenças fundamentais, normas, regras e valores que são aceitos como verdadeira e pode ser usado como uma base para a gestão da qualidade.
Os PGQs pode ser usado como uma base para orientar uma organização na melhoria do desempenho. Eles foram desenvolvidos e atualizados por especialistas internacionais da ISO / TC 176, que é responsável pelo desenvolvimento e manutenção de normas de gestão de qualidade da ISO.

Os sete princípios de gestão da qualidade são:

PGQ 1 – Foco no cliente
PGQ 2 – Liderança
PGQ 3 – Engajamento das pessoas
PGQ 4 – Abordagem de processo
PGQ 5 – Melhoria
PGQ 6 – tomada de decisão baseada em evidências
PGQ 7 – Gestão de Relacionamento

Estes princípios não são listadas em ordem de prioridade.

A importância relativa de cada princípio irá variar de organização para organização e pode,se esperar que mudam com o tempo.

PGQ 1 – Foco no cliente

O foco principal da gestão da qualidade é atender as necessidades dos clientes e se esforçar para exceder as expectativas dos clientes.

PGQ 2 – Liderança

Líderes em todos os níveis de estabelecer a unidade de propósito e direção e criar condições sem que as pessoas estão envolvidas na realização dos objetivos da qualidade da organização.

PGQ 3 – Engajamento das pessoas

Todas as pessoas independentes do nível hierárquico dentro da organização devem ter envolvimento total e incondicional que permita que suas habilidades e seus conhecimentos sejam utilizados em benefício da própria organização, pois, todos trabalham em torno de um bem comum e procuram não só o sucesso da empresa, mas também o sucesso de si mesmo na vida profissional.

PGQ 4 – Abordagem de processo

Uma organização para atingir um resultado desejado com maior eficiência, deve considerar os recursos e as atividades a eleassociados, pois, eles são geridos como um todo e não uma atividade isolada do processo, cada fase de um processo deve ser feita de maneira que os resultados sejam positivos, devemos se preocupar não só com os clientes externos, mas também com os clientes internos, pois os produtos ou serviços devem ser executados dentro das especificações para que as exigências do nosso cliente final sejam atendidas, devemos se preocupar com essa metodologia a cada etapa do nosso processo, portanto não basta ter simplesmente um fluxograma de uma atividade qualquer, isto significa que tudo deve ser visto como um processo.

PGQ 5 – Melhoria

A melhoria deve ser contínua do desempenho global de uma organização e deve ser um objetivo permanente para a própria organização, para que ela possa cada vez mais melhorar a qualidade do seu processo, produto ou fornecimento de serviço.

PGQ 6 – Tomada de decisão baseada em evidências

Significa abordagem feita para tomar decisão baseada em evidência, ou seja, decidir e tomar ações baseada em informações documentadas, de forma eficaz e eficiente após ter os dados, portanto, essa decisão é baseada em análises de dados e informações, por exemplo, monitoramos, colhemos os dados, analisamos, de posse dos resultados tomamos a decisão baseada nessas evidências.

PGQ 7 – Gestão de Relacionamento

Para o sucesso sustentado, uma organização gerencia suas relações com as partes interessadas, como por exemplo; fornecedores, clientes e usuários entre outras.

Para isso a empresa tem que avaliar o seu produto e ver a quem ele é destinado e a quem pode ser afetado de alguma forma em caso de problemas ocorridos em sua produção, além de avaliar esse ponto, deve ser avaliado a localização da empresa e o que a empresa pode causar em relação a sua comunidade.

7. Normas complementares

1. NBR ISO 9000:2015 Sistema de Gestão da qualidade – Fundamentos e Vocabulário
Descrevem fundamentos do sistema de gestão da qualidade que são objeto das normas da família ISO 9000 e define os termos relacionados a ela.

A ISO 9000: 2015 especifica os termos e definições que se aplicam a todas as normas de gestão de qualidade e gestão da qualidade sistema desenvolvido pela ISO / TC 176.

1. NBR ISO 9001:2015 Sistema de Gestão da qualidade – São Requisitos do SGQ.
O conceito da norma não mudou; é aplicável a qualquer tipo de organização, independentemente do tamanho, tipo ou o seu negócio principal.

1. ISO 9004:2009 Sistema de Gestão da qualidade – Diretriz para melhoria de desempenho, essa norma fornece às organizações um modelo de “Sucesso sustentado” é a terceira versão, sendo que a primeira publicada em 1987.

Tabela comparativa ISO 9001:2008 – ISO 9001:2015

Tabela comparativa ISO 9001-2008 - ISO 9001-2015 - 1
Tabela comparativa ISO 9001-2008 - ISO 9001-2015 - 1
Tabela comparativa ISO 9001-2008 - ISO 9001-2015 - 1

CONSIDERAÇÕES FINAIS

ADICIONAMOS AQUI UM RESUMO REFERENTE A ÚLTIMA REVISÃO DA NORMA NBR ISO 9001:2015.

NÓS DA CIRIUS QUALITY AGRADECEMOS A TODOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES PELA CONFIANÇA EM NOSSOS TRABALHOS E ESPERAMOS TER CONTRIBUÍDO PARA SEU APRENDIZADO.

O NOSSO DEVER SERÁ SEMPRE O DE MANTE-LOS ATUALIZADOS PARA O MELHOR DESEMPENHO DE SUAS ATIVIDADES.

ABRAÇOS E BOA SORTE!